Emoções Primárias e Secundárias

Todos os dias sofremos diversos tipos de emoções: alegria, tristeza, raiva, angústia e ansiedade. 
E elas são classificadas como primárias e secundárias.

Existem algumas características que devemos levar em consideração para aprender como identificar cada uma e como lidar com cada situação. 

Pensando nisso, vamos abordar neste artigo todos as informações sobre as emoções. 

  • O que são e quais são as emoções primárias?
  • O que são e quais são as emoções secundárias?
  • Como identificar as emoções?
  • Como lidar com as emoções?

Continue a leitura e tire todas as suas dúvidas! 

O que são e quais são as emoções primárias? 

Todos os dias sofremos diversos tipos de emoções: alegria, tristeza, raiva, angústia e ansiedade. 
E elas são classificadas como primárias e secundárias.

Existem algumas características que devemos levar em consideração para aprender como identificar cada uma e como lidar com cada situação. 

Pensando nisso, vamos abordar neste artigo todos as informações sobre as emoções. 

  • O que são e quais são as emoções primárias?
  • O que são e quais são as emoções secundárias?
  • Como identificar as emoções?
  • Como lidar com as emoções?

Continue a leitura e tire todas as suas dúvidas! 

O que são e quais são as emoções primárias? 

As emoções primárias sempre estão presentes em nossa rotina. Dentre as mais comuns, encontra-se o medo, alegria, tristeza, aversão e surpresa. 

Elas aparecem quando sorrimos com uma notícia boa ou quando fechamos a cara com uma situação desagradável. 

As emoções primárias também surgem durante períodos de tensão como em uma prova de vestibular ou uma entrevista de emprego. Nessas ocasiões, as mãos suam e os ombros ficam bastante tensionados. 

Os momentos de surpresa também são considerados emoções primárias. Neles, os indivíduos têm o hábito de arregalar os olhos ou levantar a sobrancelha. 

Neste grupo, ainda está presente a euforia e as tristezas. 

É fundamental deixar claro que algumas emoções são consideradas adaptativas, isto é: surgem muito rápido de acordo com uma situação. O medo, a raiva e a tristeza são ótimos exemplos. 

No entanto, as emoções adaptáveis somem quando a pessoa está mais segura e confortável não só no lado psíquico mas também emocional.  

Existem também as emoções que são denominadas de desadaptativas. 

Algumas pessoas têm o hábito de exagerar nas situações que causam alegria, aversão e surpresa. Na maioria das vezes, elas se arrependem e até pedem desculpas. 

As pessoas que têm essas emoções são aquelas que gostam de discutir ou brigar até diante do público. 

O que são e quais são as emoções secundárias? 

Essas emoções também são conhecidas como sociais ou adquiridas.

Elas surgem por meio de diversos motivos. 

  • Heranças familiares;
  • Convenções sociais; 
  • Religiosas;
  • Culturais;
  • Econômicas. 

As emoções mais comuns desse grupo são: ciúme, orgulho, constrangimento, complacência, vaidade, desprezo e culpa. 

O sentimento de culpa é um dos mais comuns entre homens e mulheres. 

O hábito de se auto culpar pode trazer várias consequências graves para a saúde como a depressão, insônia e ansiedade. Algumas pessoas, inclusive, buscam ajuda psicológica para lidar com o problema. 

O papel desse profissional é muito importante porque ajuda a lidar com as emoções de um jeito mais leve, sem punições ou culpa por situações negativas da vida. 

Todas as pessoas podem sofrer com o sentimento de culpa. Afinal, ele está relacionado com as crenças e os valores de cada indivíduo. 

Como identificar as emoções? 

O melhor jeito de identificar as emoções é fazendo um trabalho de autoconhecimento. 

Você deve entender como está a sua realidade naquele determinado momento. 

Existem quatro emoções básicas que uma pessoa pode sentir, entre as quais: raiva, tristeza, felicidade e ansiedade.

  • Ansiedade: acredita que tudo pode dar errado. O coração tem batimentos cardíacos acima do esperado, há rigidez muscular e mandíbula cerrada;
  • Tristeza: falta de concentração, vontade de chorar, sofre com pensamentos negativos sobre situações que ocorreram no passado;
  • Raiva: insegurança, frustração, pressão no corpo e coração acelerado. 
  • Felicidade: calma e sorriso constante. 

O conhecimento sobre as suas emoções é fundamental para aprender como lidar com cada uma da melhor forma. 

Como lidar com as emoções? 

Existem diversas dicas dicas que ajudam a lidar com as emoções.

Conheça cada uma abaixo. 

Respire, respire e respire! 

O ato de respirar corretamente é fundamental para lidar com as emoções de uma forma mais leve. 

Em situações de ansiedade, por exemplo, busque manter a respiração leve por meio do nariz. Você deve prendê – la por pequenos segundos. Em seguida, basta soltar o ar pela boca. 

Para surtir efeito, esse procedimento deve ser feito no mínimo dez vezes ou até sentir a sensação de alívio e calma. 

A respiração acelerada nos momentos de ansiedade pode causar tonturas, pânico e até prejudicar na tomada de decisões. 

Evite os sentimentos de culpa 

Uma pessoa não pode exagerar com os seus sentimentos. Evite ter pensamentos negativos ou de culpa quando ocorre um problema ou um deslize em uma tarefa. 

Neste momento, liste várias atividades que foram executadas com sucesso e faça comparação com os seus erros. Provavelmente, a lista de pontos positivos é maior do que a lista de pontos negativos. 

Você deve ter um pensamento positivo para usar os erros como uma forma de aprendizado, e não como culpa. 

Faça uma tarefa de cada vez 

Uma pessoa multitarefa sofre com vários tipos de problemas. Os mais comuns são: mais erros, baixa produtividade, falta de criatividade, preocupações, entre outros. 

O nosso cérebro fica sobrecarregado quando executamos diversas atividades no mesmo período. Ele pode sofrer um pane e prejudicar o desenvolvimento de outras tarefas. 

Descanse o seu cérebro 

A preocupação constante pode prejudicar a sua performance e a conquista de objetivos. O problema é ainda maior quando pensamos em situações que vão ocorrer somente daqui três meses ou um ano. 

Você deve priorizar os seus pensamentos. Caso contrário, o seu cérebro entrará em colapso. 

Ao aparecer uma nova situação em sua rotina, avalie quais são as consequências que ela podem trazer para a sua vida. Se o problema for prejudicial neste momento, pense em soluções para resolvê-los. 

Se ainda é possível esperar alguns dias ou até alguns meses, reprograme a sua mente para não sofrer por antecipação. 

Estude sobre inteligência emocional 

Os livros são ótimas fontes de conhecimento para aprender como lidar com as emoções. 

Escolha a obra que tem mais ligação com o seu perfil e acrescente a leitura em sua rotina para aprender mais. 

Faça um bom planejamento 

O planejamento semanal ou diário é muito importante para evitar futuras preocupações. Por isso, faça anotações das suas tarefas. 

Essa simples atitude pode deixá-lo mais aliviado e com menos incertezas sobre os próximos passos da sua rotina. 

Na internet, você encontrar diversos aplicativos e ferramentas que ajudam a melhorar o seu planejamento. 

Seja resiliente 

A boa notícia é que uma situação inesperada pode acabar a qualquer momento. Portanto, seja mais flexível e tolerante com as suas dores ou incertezas. Dessa forma, será mais fácil lidar com as mudanças que ocorrem no dia a dia. 

Tenha proatividade 

A proatividade é uma das características mais importantes para lidar com as emoções. 

Se está sozinho, convide os amigos ou parentes mais próximos para um encontro em sua casa. 

Se o chefe não reconhece o seu trabalho, execute um projeto que mostre suas qualificações. 

Você é a única pessoa que pode mudar a história da sua vida. 

Evite situações desagradáveis 

Uma outra forma de lidar com as emoções com eficiência é evitando situações que podem prejudicar o seu momento de calma. 

Se você sabe, por exemplo, que não gosta de viajar para um lugar, evite sair de casa somente para agradar uma outra pessoa. 

Se você não gosta de pressão no trabalho, faça um planejamento com as tarefas para evitar ser cobrado pelos chefes ou supervisores. 

A inteligência emocional é uma característica muito importante, seja na vida pessoal ou profissional. Por isso, busque administrá-la com cautela para alcançar metas, objetivos e outras qualificações que impactam em sua carreira.